Enquadramento

A ANS no contexto do associativismo

A razão de ser de sermos quem somos

A tradição no campo associativo tem raízes históricas. Remonta ao início do século com a criação do Montepio de Sargentos de Terra e Mar cujo património veio a ser integrado pelo Cofre de Previdência dos Sargentos de Terra e Mar, criado, por sua vez, pelo DL 14.589 de 18 de Novembro de 1927.

Ambas as entidades eram, na sua génese, pessoas colectivas de direito privado, com direcções nomeadas pelos sócios, o que lhes veio a ser coarctado pelo regime fascista do “Estado Novo” com o argumento de serem ” focus de perturbação ” no seio das Forças Armadas. Foi este espírito que nos animou na década de 70 pela obtenção de um estatuto próprio e um documento que patenteasse a nossa função militar. Esse movimento foi determinante para que os sargentos deixassem de ser trabalhadores contratados a prazo.

No actual quadro democrático, continuamos a pugnar pelo associativismo, agora, de carácter sócio-profissional e, noutra vertente, cultural e recreativo.

É o caso da Associação Nacional de Sargentos e dos Clubes dos ramos.

Os Clubes Militares com responsabilidade na manutenção dos traços de identidade das categorias militares, nas áreas da cultura e recreio. As Associações Militares, de carácter sócio-profissional com importantes realizações e vastas áreas de acção: – legislação militar, aspectos relacionados com as condições sociais, com a cultura, defesa da dignidade e do bom nome da Instituição e dos Militares, apoio Jurídico aos associados, etc.

Por último, a adesão da ANS à EUROMIL, constituiu mais um importante passo do Associativismo Militar Português, integrando-se no movimento associativo militar europeu.

Longo e duro tem sido o seu percurso!

A Associação Nacional de Sargentos foi criada no I Encontro Nacional de Sargentos, realizado em Sacavém, a 1 de Abril de 1989, com o voto de cerca de 4500 sargentos.Foi pioneira no associativismo militar no pós 25 de Abril de 1974.A ANS insere-se num movimento global que pugna activamente pela dignificação dos militares em geral, na sua condição de “Cidadãos em Uniforme”, e dos sargentos em particular, enquanto parte integrante da Nação.Conscientes da especificidade da instituição militar e mesmo dos sacrifícios a ela inerentes, os Sargentos Portugueses não abdicam, no entanto, do seu direito inalienável a uma total cidadania, apenas restringida ao mínimo indispensável, quando e como necessário, permanecendo no restante como cidadãos de pleno direito a quem seja reconhecido, entre outros, o direito de associação, de expressão e de representação, desde que estes não colidam com as componentes estratégicas, operacionais e disciplinares das Forças Armadas que se orgulham de servir e integrar.

A ANS – Associação Nacional de Sargentos, manterá nesta página uma constante informação das suas actividades, a clareza inequívoca das suas posições, bem assim como um espaço de reflexão sobre a questão do associativismo militar, quer na sua vertente interna, quer na sensibilidade mais vasta que sobre este assunto se respira a nível europeu, na sua condição de membro efectivo da EUROMIL – a Organização Europeia das Associações Militares.

Proporciona aos seus sócios:
• Apoio jurídico comparticipado em caso de contencioso disciplinar ocorrido no quotidiano ou por via de acção em defesa dos teus direitos de cidadão e da tua dignidade;
• Possibilidade de participação nas comissões de estudo sobre temas inerentes à condição do militar como profissional e em todos os colóquios, seminários e outros eventos;
• Representação junto dos órgãos de soberania para o diálogo em torno das condições sócio-profissionais requeridas ao exercício do dever militar;
• Receber e participar no jornal “O Sargento”;
• Informação actualizada e suficiente sobre legislação militar e outra.

Proporciona o orgulho de ser Sargento das Forças Armadas, enquadrado pelo ideal sócio-profissional da ANS!

De ser Sargento de Portugal!

Sede

A sede da Associação Nacional de Sargentos está localizada na Rua Barão de Sabrosa, Nº57, 2º, na freguesia de São João, em Lisboa.

Podes consultar a sua localização no mapa neste link.

O horário de expediente da secretaria é das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00, todos os dias úteis. Ressalvam-se as situações em que a nossa única funcionária possa estar ausente em serviço externo.

A sede é propriedade da ANS e foi adquirida sem qualquer subsidio externo do Governo ou de outras entidades estatais. É o resultado do trabalho e contributos dos Sargentos através das quotizações dos associados, bem como dos donativos obtidos através das famosas campanhas do tijolo e da tijoleira lançadas para angariação de fundos na altura da aquisição.

Da mesma forma, está também em fase de aquisição o primeiro andar do mesmo edifício, que possibilitará no futuro a ampliação das instalações e a melhoria dos serviços prestados, correspondente ao efectivo crescimento da nossa associação.

Interior da sede

Damos-te agora a conhecer o interior da nossa sede e ficas desde já convidado a fazer-nos uma visita!

Este é a sala principal onde estão expostas ofertas e troféus resultantes da actividade associativa e de participação de equipas desportivas patrocinas pela ANS. Nesta sala reunimos com entidades ou organismos, sempre que essas reuniões acontecem na nossa sede.

Sala das reuniões

Nas imagens seguintes apresenta-se a sala das reuniões de trabalho onde reúnem os órgãos sociais da ANS, a Direcção e as CPR dos Ramos.

Sala das máquinas

Esta é a sala das máquinas onde se efectuam os trabalhos gráficos de impressão em massa de documentos e fotocópias.

Secretaria

A secretaria é onde trabalha a nossa funcionária, Sra. Ana Paula.

Arquivo e Sala de Computadores

O arquivo e a sala de computadores para acesso a internet.

Outras

Algumas vistas sobre a cidade.

Hino da ANS

A ANS já tem Hino!

No passado dia 30 de Maio de 2009, durante o jantar comemorativo do 20º aniversário da ANS, tivemos o privilégio de assistir a mais uma brilhante actuação do Coro Polifónico do Clube do Sargento da Armada, regido pelo Maestro Euclides Pio.

Nessa actuação foi apresentado o hino denominado “Sargento de Portugal”, o qual foi bastante aplaudido por todos os presentes.